STJ:Terceira Turma nega danos morais por defeito em cor de azulejos
  
Escrito por: Mauricio Miranda 23-11-2016 Visto: 85 vezes






Notícia extraída do site do Superior Tribunal de Justiça:



“DECISÃO



23/11/2016 8h1min



Terceira Turma nega danos morais por defeito em cor de azulejos



Os ministros da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiram afastar a condenação de uma empresa por danos morais em razão de defeito de cor em azulejos. Por unanimidade, eles entenderam que a mera existência de vício em produto não é fator capaz de gerar, automaticamente, indenização dessa natureza.



Ao afastar a penalidade imposta à loja pela comercialização dos azulejos que apresentaram mudança na coloração após a instalação, a turma afirmou que a condenação por danos morais precisa ser embasada na existência de ofensa concreta à dignidade da pessoa.



A relatora do caso, ministra Nancy Andrighi, recordou que juristas defendem que a indenização por danos morais não pode ser banalizada. Ela destacou que essa espécie da reparação ainda é nova na jurisprudência nacional, e que é preciso haver critérios razoáveis para estabelecer uma condenação dessa natureza.



Vulgarização



“Nessa tendência de vulgarização e banalização da reparação por danos morais, cumpre aos julgadores resgatar a dignidade desse instituto, que, conforme nos ensina Cahali, foi penosamente consagrado no direito pátrio. Esse resgate passa, necessariamente, por uma melhor definição de seus contornos e parcimônia na sua aplicação, para invocá-lo apenas em casos que reclamem a atuação jurisdicional para o reparo de grave lesão à dignidade da pessoa humana”, disse a relatora.



Os ministros entenderam que situaçôes como a do processo em julgamento são normais na vida cotidiana, e não devem servir de justificativa para a condenação “abstrata” por danos morais. A relatora destacou que tais situaçôes são incapazes de afetar o âmago da dignidade humana, já que não é qualquer situação de incômodo que é capaz de configurar prejuízo moral.



“Em outra perspectiva, a dificuldade de se provar a dor oculta transforma as partes em atores de um espetáculo para demonstrar a dor que não se sente ou, diga-se ainda, para apresentar aquela dor que, além de não se sentir, é incapaz de configurar dano moral”, acrescentou a ministra.



Dano psíquico



Após iniciar a reforma de um imóvel, uma consumidora sentiu-se prejudicada pelo defeito apresentado nos azulejos instalados, que apresentaram mudança de coloração. Irresignada, ela ajuizou ação para cobrar danos materiais e morais da loja que revendeu o produto defeituoso.



Alegou que o defeito nos azulejos causou atraso na reforma, gerando ofensa à sua personalidade e “danos de natureza psíquica”. O pedido foi acolhido em primeira e segunda instância.



A decisão do STJ afasta a condenação por danos morais, mas mantém a condenação por danos materiais, já que ficou comprovada a falha no produto.



Esta notícia refere-se ao(s) processo(s): REsp 1426710



 



 


FACEBOOK


Warning: file_exists(): File name is longer than the maximum allowed path length on this platform (4096): /home/fintesp/domains/fintesp.com.br/public_html//data:image/jpeg;base64,/9j/4AAQSkZJRgABAQAAAQABAAD/2wCEAAkGBhQSEBUUEhQVFBUVFhgUFBcXFRgWFhgXGBkVGBcUGBgZHCYeFxkjGRUXHy8gIycpLCwsFR4xNTAqNSYrLCkBCQoKDgwOGg8PGiwdHiQtLCwqLCkpLCksLCwtLCkpLCksKSwpLCwsLCwpLCkuNSwsLCwsLCwsLCwsLCwsLCwsKf/AABEIAP8AxgMBIgACEQEDEQH/xAAcAAACAgMBAQAAAAAAAAAAAAAABwYIAQQFAgP/xABREAABAwIBBwUHEAcIAwEBAAABAAIDBBEhBQYHEjFBURMiYXFzCBQjQlOBkRUWJTIzNDVDUlRik6GzwdIYJHJ0sbLwY4KSwtHT4fGDoqPDRP/EABoBAAMBAQEBAAAAAAAAAAAAAAABBAIFAwb/xAAzEQACAgADBQYEBQUAAAAAAAAAAQIDBBESITEzUZETFEFSccEiNGGBIzJEgrFCQ6HR4f/aAAwDAQACEQMRAD8AeKEKE6TdIjMmQAM1X1MlxEw4howvI8XB1RuG89FyNQg5vSgNHSrpNGT4+RgIdVPF7EXETDfnux9sdw85w21/OcdV85qPrpPzLVrq580jpZXF73uLnOJuSSutmjmXUZRm5OnaLDF8jriNnDWIBxO4bTjwK7lVMKIfF92ZNL1x1Xzmf66T8yPXHVfOZ/rpPzJhHueq3y9N6Zf9tH6PdZ84puj3XzfFo7xRzQZC99cdV85n+uk/Ms+uOq+c1H10n5kwf0e6y/vim/8Ar5vi0Hueq3dPTemX/bR3ijmugC99cdV85n+uk/Ms+uOq+c1H10n5kwT3PVb5em9Mvm+L60Due6z5xT in /home/fintesp/domains/fintesp.com.br/public_html/core/common/ArticlesData.class.php on line 773