STJ:Justiça do DF deve julgar suposto crime ambiental às margens do lago Paranoá.
  
Escrito por: Mauricio Miranda 23-05-2013 Visto: 493 vezes




Notícia extraída do site do Superior Tribunal de Justiça:



23/5/2013 - 9h3



DECISÃO



Justiça do DF deve julgar suposto crime ambiental às margens do lago Paranoá



 



A Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) declarou a 7ª Vara Criminal de Brasília competente para julgar uma causa fundada em suposto crime ambiental, tendo por base a construção de muros de arrimo, píer e quiosque às margens do lago Paranoá. O juízo do Distrito Federal havia declinado de sua competência por ser a área investigada supostamente de domínio da embaixada do Catar.



O juízo considerou o artigo 109, II, da Constituição, segundo o qual compete à Justiça Federal processar e julgar “as causas entre estado estrangeiro ou organismo internacional e município ou pessoa domiciliada ou residente no país”. O inquérito apura suposto crime contra o meio ambiente, em área de proteção situada na quadra QL 20 do Lago Sul, em Brasília.



A perícia ainda não foi realizada no local e a embaixada informou, de acordo com o relator, ministro Marco Aurélio Bellizze, que somente autoriza a entrada de peritos pela via diplomática.



Não identificado



O Ministério Público do Distrito Federal havia oferecido parecer no sentido da competência absoluta da Justiça Federal, mas o juízo federal suscitou o conflito perante o STJ, ao argumento de que a competência referida no artigo 109, II, da CF se limita a questôes de natureza civil, não sendo a hipótese dos autos, em que se apura infração penal.



Segundo o ministro Bellizze, até o momento não foi identificado o responsável pelas obras nas margens do lago. Como há informação de que o imóvel estaria em nome de particular e as construçôes seriam anteriores a 2005, e não havendo comprovação da materialidade do delito, foi fixada a competência do juízo do Distrito Federal.



“Encontrando-se as investigaçôes em fase inicial, não havendo, ainda, a identificação do agente responsável pelas construçôes supostamente irregulares, tampouco se houve, de fato, algum crime contra o meio ambiente, revela-se prematuro o declínio de competência para a Justiça Federal, porquanto ausentes indícios mínimos de lesão a bens, serviços ou interesses da União, valendo ressaltar, ademais, que o lago Paranoá pertence ao Distrito Federal”, concluiu o relator.



 



Coordenadoria de Editoria e Imprensa”



 



 



*Mauricio Miranda.



 



 




FACEBOOK

000054.80.87.174