TRF1:Desconto indevido de pensão alimentícia gera indenização por dano moral
  
Escrito por: Mauricio Miranda 20-02-2013 Visto: 640 vezes




Notícia extraída do site doTribunal Regional Federal da 1.ª Região:



Desconto indevido de pensão alimentícia gera indenização por dano moral



20/2/13 11h



A 5.ª Turma do TRF da 1.ª Região julgou apelação de sentença que condenava o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a indenizar um homem que teve descontados indevidamente em seu benefício previdenciário valores referentes a pensão alimentícia (R$ 214,35) durante oito meses. Os valores, na verdade, deveriam ter sido descontados de um homônimo do autor.



Na 1.ª instância, a autarquia foi condenada a indenizá-lo em R$ 8 mil a título de danos morais. Insatisfeito, o autor recorreu ao TRF da 1.ª Região alegando que o valor seria irrisório se comparado aos danos sofridos. 



Narra o requerente, em seu recurso, que tal erro gerou desconfiança em sua família, por parte da esposa e dos filhos, o que alterou a harmonia das relaçôes, levando ao rompimento do casamento. Além disso, teria havido repercussão negativa na sociedade por se tratar de homem público, vereador candidato à reeleição. Por isso, requer o aumento dos valores da indenização a ser paga pela autarquia.



O INSS, por sua vez, em apelação, alegou que o desconto ocorreu devido à ordem judicial, sendo seu dever apenas cumpri-la. E que a conduta do autor, ora apelante, seria “oportunista”, já que pleiteava da autarquia indenização de R$ 80 mil.



Ao analisar o processo, a relatora, desembargadora Selene Maria de Almeida, avaliou que o dano moral sofrido pelo autor é indiscutível, o que configura o direito à indenização. “É fato que houve desídia por parte do INSS ao não conferir os elementos que individualizam o segurado, como por exemplo, a filiação, que foi a peça chave para a correção do erro”, disse, referindo-se ao fato de que o valor da pensão alimentícia teria que ser descontado de um homônimo do autor da ação.



“É perfeitamente presumível a repercussão negativa que a suposta paternidade causou no seu matrimônio e no seio de sua família e da comunidade”, disse a relatora. A desembargadora, porém, entendeu ser justa a fixação da indenização em R$ 8 mil, confirmando a sentença proferida na 1.ª instância.



“No presente caso, observo que a condenação ao pagamento da quantia de R$ 8 mil, a título de dano moral, não se mostra excessiva, merecendo ser mantida, em razão do conjunto probatório constante dos autos”, finalizou.



A decisão da 5.ª Turma foi unânime, de acordo com o voto da relatora.



Processo n.º 200633060003051



Data do julgamento: 30/01/13



Data da publicação: 14/02/13



CB



Assessoria de Comunicação Social



Tribunal Regional Federal da 1.ª Região”



 



*Mauricio Miranda.



 



 




FACEBOOK

000054.80.87.174