TST:Diferença de um centavo no depósito recursal não configura deserção
  
Escrito por: Mauricio 15-08-2012 Visto: 638 vezes

Notícia extraída do site do Tribunal Superior do Trabalho:

“Diferença de um centavo no depósito recursal não configura deserção

 (Quarta, 15 Agosto 2012, 5h33min)

A Oitava Turma do Tribunal Superior do Trabalho afastou a deserção do agravo de instrumento interposto pela Katoen Natie do Brasil, por considerar que a diferença de um centavo no depósito recursal não configura deserção.

Por meio do agravo de instrumento a empresa pretendia destrancar o recurso de revista oriundo do Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (BA), que havia ratificado condenação por danos morais e materiais, decorrente de acidente sofrido pelo autor, que após ser atropelado por uma empilhadeira, foi atingido por 50 sacos contendo cinco quilos de polietileno cada.

Contudo, o Presidente desta Corte Superior Trabalhista, denegou seguimento ao agravo de instrumento, por deserto.

Com a vigência da Lei n° 12.275/2010, a partir de 13 de agosto daquele ano, foi acrescido ao artigo 899 da CLT, o §7°, instituindo o depósito recursal para a hipótese de interposição de agravo de instrumento.

O texto legal passou a impor à parte agravante que, no ato de interposição do recurso, efetue o recolhimento de depósito recursal no "valor correspondente a 50% do valor do depósito do recurso ao qual se pretende destrancar".

Todavia, a parte estará dispensada desta obrigação quando já depositado o valor total da condenação, conforme Súmulas ° 128, I e 245 do TST. No mesmo sentido, a atual redação da alínea a do item II da Instrução Normativa n° 3 do TST, alterada pela Resolução n° 168 desta Corte, cuja vigência coincide com a da Lei n° 12.275/2010 (13/8/2010).

No caso examinado pela ministra Dora Maria da Costa, a 2ª Vara do Trabalho de Camaçari, na Bahia, fixou a condenação em R$ 100mil, valor esse inalterado pelo do TRT da 5ª Região (BA).

Também foi constatado que havia nos autos comprovantes dos depósitos recursais referentes aos recursos ordinário e de revista interpostos pela Katoen Natie do Brasil, em observância ao teto legalmente fixado à época. Referidos valores, ainda que somados, não totalizam o valor integral arbitrado à condenação.

Nesse sentido, à empresa recorrente cabia integralizar o depósito recursal até atingir o total arbitrado à condenação ou, efetuá-lo, à metade do valor máximo nominal do depósito relativo ao Recurso de Revista que se visava a destrancar, equivalente à R$ 5.889,51, à época.

Contudo, o valor ficou aquém do devido, acarretando decretação da deserção do recurso pelo presidente do TST, ante a constatação de faltar um centavo.

A empresa então interpôs o agravo que foi examinado pela Oitava Turma.

Para a relatora, ministra Dora Maria da Costa, a tese da deserção não se sustenta em razão de o texto da Orientação Jurisprudencial n° 140, que afirma ser deserto o recurso quando o recolhimento das custas e do depósito recursal for insuficiente, ainda que a diferença em relação à quantia devida for ínfima, "referente a centavos".

Na decisão, que foi seguida pelos demais membros do colegiado, a relatora afirmou que a diferença de apenas um centavo não pode acarretar a deserção do recurso. "Se trata de quantia sem expressão monetária, sendo certo que, ainda, que a OJ n° 140 da SDI-1/TST se reporta a centavos, no plural, o que não abrange a situação vertente", destacou.

Nesse sentido, o agravo de instrumento foi conhecido. Mas, quando examinado, teve provimento negado, com rejeição do pedido de reconhecimento de julgamento extra petita.

AIRR-110700-31.2007.5.05.0132

(Cristina Gimenes/RA)

Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida reprodução mediante citação da fonte.
Secretaria de Comunicação Social
Tribunal Superior do Trabalho
Tel. (61) 3043-4907
imprensa@tst.jus.br

*Mauricio Miranda.

**Imagem extraída do Google.

FACEBOOK

00003.235.228.219