Transparência: Atestado de Miserabilidade dos Funcionários Públicos
  
Escrito por: Mauricio 01-07-2012 Visto: 521 vezes

Transparência: Atestado de Miserabilidade dos Funcionários Públicos

Os órgãos públicos, em obediência à chamada lei da transparência pública, estão liberando, em seus respectivos sites, a remuneração dos seus funcionários. A princípio, você pode pensar: estamos vivendo num mundo democrático e de transparência, que legal!

Então, procurei os vencimentos de duas autoridades: a Presidenta Dilma e a Ministra do Supremo Cármem Lucia.

http://www.portaltransparencia.gov.br/ e por meio do buscador Google transcrevo em parte do site: http://odia.ig.com.br/portal/brasil/servidores-do-executivo-revelam-sal%C3%A1rios-1.456851, extraído na data de hoje.

“Servidores do Executivo revelam salários


Salário de Dilma é de R$ 19.818,49


Brasília -  Dilma Rousseff, presidente da República, recebe R$ 19.818,49, segundo divulgou o Portal da Transparência, nesta quarta-feira. A presidente ganha o teto do funcionalismo público que é de R$ 26.723,13, mas paga R$ 6.473,86 de Imposto de Renda e R$ 430,78 de Previdência Oficial. Os dados são referentes a maio. De acordo com o portal, Dilma tem o compromisso de trabalhar 40 horas semanais. (...)”

Lembro-me que a primeira a mostrar o contracheque foi a Ministra do STF, Exa Cármem Lúcia; http://odia.ig.com.br/portal/brasil/c%C3%A1rmen-l%C3%BAcia-%C3%A9-a-primeira-ministra-do-stf-a-divulgar-sal%C3%A1rio-1.444694, extraído hoje

“23.05.2012 às 20h43

Cármen Lúcia é a primeira ministra do STF a divulgar salário


Ministra, que também preside o TSE, publica os contracheques no site do tribunal um dia após o Supremo decidir divulgar os vencimentos de ministros


Brasília -  A presidenta do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Cármen Lúcia Antunes Rocha, foi a primeira entre os 11 ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) a divulgar os vencimentos. Cármen Lúcia divulgou os contracheques que recebe do STF e do TSE no site do tribunal na tarde desta quarta-feira. A divulgação acontece um dia depois de o Supremo decidir dar transparência aos vencimentos de todos os servidores e ministros da mais alta Corte do País, em obediência à Lei de Acesso à Informação, que entrou em vigor no último dia 16 de maio.

Na sessão administrativa do STF realizada na última terça-feira para decidir o assunto, a presidenta do TSE chegou a usar a expressão “liberar geral”, destacando sua posição francamente favorável à divulgação dos salários dos ministros da Suprema Corte. De acordo com os contracheques da ministra, seus rendimentos mensais como integrante do STF são de R$ 26.723,13 brutos (R$ 17.877,49 líquidos). Além disso, Cármen Lúcia recebeu, em maio, R$ 6.413,52 como gratificação de presença em cada sessão do TSE (R$ 5.406,33 líquidos)."

Pois bem, os outros órgãos federais, estaduais e municipais irão apresentar as remuneraçôes de seus funcionários públicos. Ótimo! Será que a população acreditava que os funcionários públicos ganhavam fortunas?

Refletindo, fiquei preocupada:  ora, se os agentes públicos, nos status mais elevados, ganham quase nada de excepcional, como eles enfrentam contendas de empresas multimilionárias, com gestores qualificados, advogados  alardeados pela mídia, que cobram,  por uma causa, 15 milhôes?

Como parlamentares, governadores etc convivem com gente milionária, presente até na Revista Forbes, conseguindo manter um distanciamento razoável em atos do poder público?

Aí veio o medo: será que as recentes notícias de corrupção estão atreladas às remuneraçôes baixas?

Será que o mercado privado manda no Brasil?

Então, não somos um país livre, mas dominados pelas elites, "a zelite" do Lula?

Aí,  sinto um  mal-estar,  fico nauseada...

Ao povo brasileiro: se você tem uma crítica de um funcionário de uma repartição, pense quantas vezes você foi destratado em empresas privadas.

Por derradeiro, se eu tivesse um filho, eu daria o seguinte conselho: seja um empreendedor, um visionário e trabalhe no setor privado e tenha comiseração e urbanidade com os funcionários públicos em estágio de extinção.

P.S: Asisti, há alguns anos, a uma palestra proferida por um ouvidor da Receita Federal, que já possuía 30 anos de serviço público, afirmando ter feito, em sua vida pública, apenas uma compra de imóvel e que a maioria dos servidores públicos não recebe o suficiente para ter mais de 1 imóvel.

Elisabete Bastos

FACEBOOK