Retrospectiva 2011 (outubro) - Penal - "Fogueteiro" e atipicidade da conduta
  
Escrito por: Mauricio 24-01-2012 Visto: 382 vezes

Notícia extraída dos informativos do STF.

Em conclusão de julgamento, a 1ª Turma, por maioria, denegou habeas corpus, mas, concedeu a ordem, de ofício, para determinar ao juízo da execução que proceda a nova dosimetria da pena, com base na reprimenda abstratamente cominada no art. 37 da Lei 11.343/2006. Na situação dos autos, discutia-se o reconhecimento da superveniente atipicidade da conduta de condenado por associação para o tráfico de drogas, em virtude de sua atuação como "fogueteiro", por não ter o art. 33 da novel Lei de Drogas repetido o tipo do art. 12, § 2°, III, da Lei 6.368/76 — v. Informativo 637. Reputou-se que a conduta do "fogueteiro" no tráfico enquadrar-se-ia como informante, que na sistemática da lei anterior seria penalmente responsável como co-autor ou partícipe do crime para o qual colaborava, ou seja, o tráfico de entorpecentes. Asseverou-se que essa conduta fora reproduzida, não no art. 33 da Lei 11.343/2006, mas no seu art. 37 ("Colaborar, como informante, com grupo, organização ou associação destinados à prática de qualquer dos crimes previstos nos arts. 33, caput e § 1°, e 34 desta Lei: Pena reclusão, de 2 a 6 anos, e pagamento de 300 a 700 dias-multa").

 

FACEBOOK